top of page

Ecoporé participa de curso de coleta de plantas com Jardim Botânico de Nova York


Homens com equipamentos de segurança para fazer coleta de sementes em árvores
Ecoporé participa de curso de coleta com Jardim Botânico de Nova York

Antes da muda ir ao solo para virar uma árvore na restauração, é preciso selecionar matrizes genéticas, coletar e beneficiar as sementes, escolher a melhor forma de germinação e só depois ela estará pronta e forte para criar raízes no solo degradado. Para melhorar esse processo e atingir melhores resultados no plantio durante a recomposição florestal, a Ecoporé realizou e participou junto com pesquisadores do Jardim Botânico de Nova York (NYBG), da Permian e Universidade Federal de Rondônia (UNIR) o curso de “Coletas e identificação de amostras botânicas para o monitoramento e restauração Florestal”.


E o local para a realização do curso também foi estratégico, o encontro aconteceu na Reserva Extrativista (RESEX) Estadual Rio Cautário, dos dias 17 a 22 de outubro. Participaram da formação os comunitários da RESEX, monitores e técnicos envolvidos com manejo florestal, restauração, monitoramento e crédito de carbono.


Grupo mostra cartazes de espécies botânicas
Formação ajuda a entender melhor as espécies para identificação botânica

O objetivo principal do curso era ensinar a comunidade e profissionais das instituições parceiras, a maneira e metodologias adequadas para coleta e armazenamento das sementes, e também, como e o que observar em uma amostra botânica para que haja uma correta identificação da família, gênero e espécie da amostra coletada.


Essas identificações de forma correta ajudam as instituições, como a Ecoporé, que atuam com restauração, porque aprofunda os conhecimentos sobre a flora local, para que haja uma seleção de espécies mais adaptadas ao microclima e a condições morfológicas locais.


Pesquisadores no meio da floresta fazendo identificação de plantas
O objetivo principal do curso era ensinar a comunidade e profissionais das instituições parceiras

“Como engenheiro florestal, posso afirmar que o curso de coletas e identificações botânicas é fundamental para o monitoramento e restauração florestal. O conhecimento sobre as espécies vegetais presentes em uma determinada área é essencial para a realização de um diagnóstico preciso da situação e para a escolha das melhores estratégias de restauração."


Além disso, a identificação correta das espécies é importante para o acompanhamento da evolução da floresta ao longo do tempo e para a avaliação dos resultados das ações de restauração”, conta Romas Pereira da Silva, colaborador da Ecoporé, que participou da formação.

Dentre alguns tópicos abordados durante o curso, alguns principais foram a diversidade na Amazônia, características marcantes para as principais famílias da flora amazônica e quais são as Chaves de Identificação botânica.


Grupo de formação posicionado para a foto no meio da floresta
O curso foi uma realização da Ecoporé, Permian, Unir e Jardim Botânico de Nova York

23 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page